Comportamiento de la variedade “Touriga Nacional” en la Región Demarcada del Douro, en diferentes condiciones climáticas y edáficas

A Região Demarcada do Douro, oferece uma diversidade geográfica, climática e biológica (grande número de castas em cultivo) extremamente grande e complexa, originando vinhas de tipo e qualidades distintos de acordo com as situações (“Terroirs”). Por tal motivo, foi criado em 1948, um método de pontuação para classificação das vinhas, em função de diversos parâmetros pedo-climáticos, geográficos e biológicos o que permitiu classificar as diferentes parcelas segundo classes distintas de qualidade.
Tal conjunto de informações e conhecimentos já adquiridos, constitui no entanto, uma primeira aproximação de uma definição mais detalhada do conceito de zonagem, ou seja, a relação casta-“terroir” não está ainda suficientemente estudada e definida o que origina frequentemente dificuldades na escolha dos encepamentos que optimizem a qualidade dos vinhos em função da melhor repartição das castas pelas parcelas, cujas características conferem a cada casta a sua melhor adaptação.
O trabalho em curso, iniciou-se em 1998, com a marcação de 50 parcelas de vinha da casta Touriga Nacional distribuídas pela Região Demarcada do Douro. A todas elas foi feita uma caracterização geográfica (altitude, exposição, declive), pedo-climática (análise de solo e registo de dados meteorológicos) e vitícola (forma de condução, porta-enxerto, idade, sistematização do terreno e embardamento, densidade de plantação). Anualmente, em todas estas parcelas geo-pedo-climáticamente distintas, com altitudes dos 100m aos 400m, exposições de NE, SE, SW, E, S e N, declives de 5% a 45%, sistematização em Vinha ao alto e Patamares, condução em Guyot e Cordão, procede-se a determinações no coberto vegetal (do pintor á vindima), controlo de maturação (de 10 em 10 dias), análise de mosto, rendimento e peso de lenha de poda, pretendendo-se com a evolução deste trabalho, contribuir para um melhor conhecimento da casta Touriga Nacional, em diferentes situações edafo-climáticas e culturais tão pronunciadas e frequentes na Região Demarcada do Douro e, contribuir para uma análise mais minuciosa da relação casta com o “terroir” e produto final (mosto).

Authors: Ana Alexandra Oliveira, Nuno Magalhães

Departamento de Fitotécnia e Engenharia Rural – Viticultura
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Apartado 202, 5001-911 Vila Real, Portugal

Email: anaolive@utad.pt

Keywords: Douro, Touriga Nacional, Zonagem vitícola

Related Posts

Share via
Copy link
Powered by Social Snap